Terça-feira, 27 de Junho de 2006

Corpos à deriva

Por que razão nos sentimos sem rumo, ainda que nos sintamos felizes?  Por que razão nos ditam como devemos ser, o que devemos sentir, de que forma devemos pensar? Por que razão tiramos do bolso frases feitas, piadas prévias, desejos antecipados?

Somos marionetas articuladas nas mãos tiranas de incompetentes. Vemos o nosso destino jogado como um dado que se projecta em cima de uma mesa de veludo verde. Sentimos a impotência de comandar a vida que escolhemos para nós: deixam-nos suspensos no ar em asfixia de consolo ou submersos por leis impostas pela insensatez.

Deixem-nos sair da concha, tirem-nos as vendas escuras, as mordaças da boca, libertem-nos o pensamento ... Só queremos ser nós, gritar a liberdade de se nascer sem se pertencer a nada nem a ninguém, cravar as unhas na vida que nos resta e vivê-la com a intensidade de correr nos ponteiros do relógio.

Alguém nos ouve? Há alguém por ai?

 

publicado por Papel digital às 17:01

link do post | comentar | favorito
Domingo, 25 de Junho de 2006

Um corpo dentro de outro corpo

Desde que descobri que tinha um corpo a formar-se dentro do meu corpo nunca mais os dias foram iguais. A vida tornou-se um bailado entrenecedor entre dois corpos aninhados numa simbiose de amor, um correpio de ansiedade exaltante, uma troca de energias que não consigo descrever em palavras.

A maternidade é mágica, já todos ouvimos dizer, mas a magia de dois corpos se multiplicarem num acto de amor vai além da nossa percepção e desafia a nossa inteligência, como aliás o faz qualquer magia.

Hoje, quando olho para ela, não sou capaz de imaginar nada melhor que pudesse estar a fazer naquele momento. Deixo-me perfurmar com o cheiro da sua pele, aqueço-me com o bater do seu coração, apaixono-me em cada gesto, cada sorriso, cada olhar, cada choro, num turbilhão de sentimentos que me devasta como uma tempestade tropical e me deixa em lama ... numa satisfação plena que nenhum outro sentimento ou circunstância seria capaz de proporcionar.

Estou colada a ela pelo adesivo da paixão, unidas por um sentimento incondicional, por uma lei inviolável, num acto de partilha e de entrega inquestionável.

A dependência do corpo dela pelo meu corpo é o meu prazer supremo. E quando penso que este amor é tão intenso que não pode agigantar-se mais, eis que nasce um novo dia de encanto e tudo o que me liga áquele corpo se engrandece e me aprisiona com as correntes de um amor rendido.

publicado por Papel digital às 08:23

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 6 de Junho de 2006

Tecnologia invisível

Somos tecnopagãos ligados por redes eléctricas. A tecnologia dotou-se de poderes mágicos e transcendentais e sacralizou-se por ser opaca, invisível e oculta.

Antropomorfizaram-se os computadores e abriram-se novos espaços e dimensões no interior da realidade social: a tecnologia permite que gravemos as nossas vontades no mundo, de acordo com os desígnios da nossa imaginação.

A tecnologia digital adquire capacidade mental: o computador é a mais animada e inteligente das máquinas, a mais interactiva e, de longe, a menos "mecânica".  Atribuímos-lhe qualidades mais psicológicas do que tecnológicas, vemos nele um objecto quase-humano-ligado-à-corrente, dotamo-lo de vida e falamos dele como se tivesse vontade própria e fosse capaz de afectos.

E, porque às vezes a máquina se zanga, continuarei a falar sobre este assunto num outro dia...

publicado por Papel digital às 10:01

link do post | comentar | favorito

ocorpoopaco.mais sobre mim


ocorpoopaco. ver perfil

ocorpoopaco. seguir perfil

ocorpoopaco.pesquisar

 

ocorpoopaco.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31

ocorpoopaco.posts recentes

ocorpoopaco. A Verdade do Amor

ocorpoopaco. Para uma amiga ...

ocorpoopaco. O que a vida nos dá e nos...

ocorpoopaco. Tesouros da Cultura Nacio...

ocorpoopaco. Antigamente é que era...

ocorpoopaco. Em nome do Amor

ocorpoopaco. O Regresso

ocorpoopaco. Também queria ser bombeir...

ocorpoopaco. Corpos à deriva

ocorpoopaco. Um corpo dentro de outro ...

ocorpoopaco.arquivos

ocorpoopaco. Agosto 2008

ocorpoopaco. Abril 2008

ocorpoopaco. Março 2008

ocorpoopaco. Junho 2007

ocorpoopaco. Fevereiro 2007

ocorpoopaco. Dezembro 2006

ocorpoopaco. Setembro 2006

ocorpoopaco. Julho 2006

ocorpoopaco. Junho 2006

ocorpoopaco. Maio 2006

blogs SAPO

ocorpoopaco.subscrever feeds