Terça-feira, 5 de Junho de 2007

Tesouros da Cultura Nacional

Já repararam naqueles senhores que, nas feiras de Verão, se dedicam a vender mantas, toalhas, panos de cozinha, lençóis e afins, dentro da sua própria carrinha, conceito de espaço já de si interessante, de microfone em punho?

Não está só, o sujeito, que isto não é espectáculo que se organize assim do pé para a mão! Faz-se acompanhar de uma mulher, a sua, provavelmente, de olhar lânguido e inexpressivo, quase sempre um belo exemplar da espécie: buço bem visível, envergando uma gasta bata de limpeza, raiz de brancas com, pelo menos, dois centímetros.

Certo é que possui a nobre função de ir mostrando o artigo, à medida que este vai sendo descrito pela boca do especialista.

E que especialista!! Qual Eça, mestre da descrição, discurso e entoação capazes de fazer inveja a muito comentador da bola, movimentação e expressão corporal merecedora de um óscar cinematográfico!

E o homem não pára, e vira para a esquerda e agora para a direita, e ora pisca o olho à possível compradora, ora lhe atira um daqueles piropos de envergonhar a mais descarada das sujeitas, e desdobra a manta linda com o leopardo desenhado e aponta para a toalha de cozinha com o galo de Barcelos estampado, e grita, e canta, e gesticula energicamente: "Não me obriguem a roubar, eu quero é vender!!!"

Sinceramente! Quem é que é capaz de ficar indiferente a tão sensato apelo? Entre os euros para a fartura, para o churro e para a imperial, para a voltinha no carrossel e para o algodão doce, hão-de sobrar uns trocos para comprar qualquer ao senhor. Livrá-lo daquele sufoco. Aliviar aquela tensão passa a ser prioridade para qualquer família mais atreita à lamechice e dada à lágrima fácil.

"Ó Manel, estou a precisar de um resguardo para os miúdos!". O Manel, entre as canecas e os Pinochets, que depois de uma semana de trabalho está disposto a tudo para que reine a paz e o sossego, abre os cordões à bolsa e vai de resguardo e lençol de banho e lençol para baixo e lençol para cima e capa de edredão ... vai a família aviada com uns soquetes de brinde para os miúdos e um napron para a senhora, que a almas assim caridosas deve ser feito o bem ainda na Terra, para quê esperar tanto para lhes agradecer!

Continua o nosso Eça a queixar-se da vida e a bendizer a qualidade dos seus artigos de flanela e de algodão, segue o Manel e a família manuelina a maldizer da vida e da má-hora em que por ali passaram, continua a festa em qualquer lugar, por este país fora... São tesouros da nossa cultura nacional!

publicado por Papel digital às 21:52

link do post | comentar | favorito

ocorpoopaco.mais sobre mim


ocorpoopaco. ver perfil

ocorpoopaco. seguir perfil

ocorpoopaco.pesquisar

 

ocorpoopaco.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31

ocorpoopaco.posts recentes

ocorpoopaco. A Verdade do Amor

ocorpoopaco. Para uma amiga ...

ocorpoopaco. O que a vida nos dá e nos...

ocorpoopaco. Tesouros da Cultura Nacio...

ocorpoopaco. Antigamente é que era...

ocorpoopaco. Em nome do Amor

ocorpoopaco. O Regresso

ocorpoopaco. Também queria ser bombeir...

ocorpoopaco. Corpos à deriva

ocorpoopaco. Um corpo dentro de outro ...

ocorpoopaco.arquivos

ocorpoopaco. Agosto 2008

ocorpoopaco. Abril 2008

ocorpoopaco. Março 2008

ocorpoopaco. Junho 2007

ocorpoopaco. Fevereiro 2007

ocorpoopaco. Dezembro 2006

ocorpoopaco. Setembro 2006

ocorpoopaco. Julho 2006

ocorpoopaco. Junho 2006

ocorpoopaco. Maio 2006

blogs SAPO

ocorpoopaco.subscrever feeds